As três personalidades

No livro, “O mito do empreendedor” de Michael E. Gerber.

Onde o autor diz que qualquer pessoa que cria um negócio, tem três personalidades que aparecem e somem em determinados momentos na vida de seus negócios aprendemos que precisamos conhecer bem e explorar de maneira certa cada personalidade.

São elas: O Empreendedor, o Gerente e o Técnico.

Quando cada uma dessas personalidades assume sozinha o comando de suas ações, só há conflito.

É uma batalha que nenhuma delas podem vencer.

“Assim no curso da vida, o homem adquire muitas condições, assimila muitos personagens, muitos “eu” porque cada um passa a falar por si, usando “eu” e “mim”, ao se manifestar”.  

Jean Vaysse

O EMPREENDEDOR

A personalidade do empreendedor torna uma condição trivial em uma oportunidade excepcional. É o visionário em cada um, o sonhador, a energia por trás de cada atividade humana. Mas, por falta de visão empreendedora, o dono do negócio, permite que seu lado técnico ou operacional seja mais forte a atuante que seu lado empreendedor, gastando horas e horas dentro de seu negócio fazendo serviços operacionais que outros colaboradores poderiam estar fazendo ao invés de pensar estrategicamente o futuro de seu negócio.

O GERENTE

O Gestor é a nossa personalidade planejadora no sentido da organização de dados, procura a ordem, a previsibilidade e que vive no passado; O gerente constrói uma casa e vive nela para sempre. O empreendedor constrói uma casa e no momento que termina, ele começa a planejar a próxima.

O OPERÁRIO OU TÉCNICO

O técnico é o que faz o trabalho operacional . Quando está trabalhando ele está feliz. Faz apenas uma coisa de cada vez. Para o técnico, pensar não é produtivo, a não ser que seja sobre o trabalho a ser feito. O técnico não está interessado em ideias, mas sim como fazer na prática. O IDEAL

Do equilíbrio que encontramos nessas 3 personalidades, dependerá, quase sempre, o sucesso empresarial.

A grande erro do empreendedorismo é a de que se conhecendo o trabalho técnico de qualquer negócio, já conhecemos o negócio. E por que pensam assim? Porque, ao contrário daquilo que normalmente se pensa, as pessoas que montam negócios, não são eminentemente empreendedoras e sim técnicos insatisfeitos.

Os problemas começam aqui. Quando a empresa está montada, qual será a função desse Técnico/Empresário? Fará o trabalho técnico desse negócio… A questão que se levanta é quem fará as outras funções?

Quem fará a gestão estratégica, o tratamento das informações, quem fará o trabalho do empreendedor que é o de preparar o negócio para crescer?

Nesta fase o negócio é normalmente gerido de acordo com o que o dono quer, do que o negócio precisa.

O negócio cresce até ao limite da zona de conforto do Técnico, até que este compreende que precisa de ajuda.

Geralmente, nessa fase do negócio, o Empresário contrata alguém, para fazer o trabalho de que não gosta.

O trabalho que não o deixa confortável.

Dessa forma, pode voltar a fazer aquilo que sabe e que mais gosta.

E, normalmente, é aqui que comete o segundo erro fatal.

Administra por abdicação em vez de o fazer por delegação.

Ao abdicar totalmente de determinada atividade, o Empresário perde o controle do negócio, fica nas mãos do profissional contratado e rapidamente volta a chegar ao limite da sua zona de conforto.

A tudo isto se junta o fato de trabalhar demais, fazendo o trabalho técnico, obtendo resultados insignificantes, por desejar controlar todos os detalhes operacionais e/ou técnicos do seu negócio, uma vez que não confia naquilo que os seus outros colaboradores fazem.

O típico “empreendedor” é apenas 10% empreendedor, 20% gerente e 70% técnico. Os novos empreendedores trabalham geralmente visando às necessidades das partes operacionais.

O ideal seria que eles trabalhassem dentro das necessidades da personalidade empreendedora e montassem uma equipe que trabalhassem as necessidades gerenciais e operacionais.

Mas porque a personalidade empreendedora é tão importante para o sucesso de sua empresa?

Por causa das seguintes características abaixo:

Concentração: A habilidade de focar a atenção em algo.

Distinção: Distinguir em que se deve focar.

Inovação: Transformar ideias criativas em inovação.

Comunicação: Comunicar com clareza, precisão, paixão, propósito o objetivo do negócio para todos os envolvidos.

Organização: Definir ordem e procedência do que deve ser feito.

DICA IMPORTANTE:

Comece a separar um tempo para empreender. Comece com 30 minutos por dia. Não faça isso em casa. Faça na sua empresa. Use este tempo para pensar estrategicamente. Olhar os números, pensar numa campanha de marketing, estudar este programa, etc.

Compartilhe!